quinta-feira, 5 de junho de 2008

Personalidade

O tema Personalidade é uma constante nos jogos de RPG. Cada sistema ou cenário, de uma maneira simples ou mais profunda, abordam o tema. Afinal, todo personagem deve ter uma personalidade para que o jogador possa interpretá-la. Mas, afinal, o que é Personalidade?

Personalidade é tudo o que é individual e, portanto, diferente de pessoa para pessoa; é tudo aquilo que o caracteriza como alguém único. Características essas que se mantêm mais ou menos estáveis ao longo de sua vida. Com isso, podemos entender que faz parte da personalidade: comportamentos, sentimentos, maneirismos, atitudes, desejos, pensamentos, posturas, peculiaridades, vícios, história de vida, etc. Tudo o que o seu personagem faz de maneira própria e única pertence a sua personalidade.

Essa definição acaba se tornando simplista e abrangente, mas nos auxilia ao servir como ponto de partida para tentar entender o que é a personalidade.

Diversos livros de RPG fazem uso do conceito de personalidade para auxiliarem os jogadores a construírem um personagem que se adeque ao cenário ou ao sistema de jogo. Para isso, temos uma coleção enorme de termos e regras para defini-la, como: prelúdio; background; história do personagem; tabelas aleatórias de história de vida; características racias, geográficas, étnicas, planetárias ou de classe; diário pessoal; peculiaridades; entre outras.

O leque é gigantesco e muitas vezes não atinge o que é realmente necessário. Afinal, com uma definição como essa, capaz de abarcar qualquer coisa que faça parte do personagem, as chances de se perder ou simplesmente de se esquecer algo é imensa.

Mas não é por acaso que existem tantos sistemas e regras diferentes para algo que pode ser explicado em um parágrafo. O problema está na origem. Existem diversos autores, entre filósofos, psicólogos e sociólogos, que entendem a Personalidade de uma maneira diferente, valorizando estas ou aquelas características, explicando o termo conforme sua própria visão de mundo e entendimento sobre as pessoas.

Por isso, a começar por esse post, vou fazer uma aproximação abrangente, sistemática e útil de cada um dos grandes autores que dedicaram sua vida à obras e tratados para explicarem o que é a Personalidade.

Será abrangente, pois vou comentar sobre as principais teorias, aquelas que modificaram o modo de pensar do homem moderno. Sistemática, pois vou falar de uma teoria por vez, abarcando suas principais contribuições para o tema. E útil no sentido de sempre adaptar os conceitos para o universo dos jogos de RPG, além de criar mecanismos apropriados para facilitar a construção da personalidade dos personagens jogadores.

Esse post irá servir como índice, contendo um breve relato de cada uma das teorias e a quais jogos elas melhor se aplicam:

Teoria Psicodinâmica: com certeza a maior e mais famosa das Teorias da Personalidade. Com conceitos como Id, Ego e Superego, ela mostrou-se excelente ao ser usada em personagens de jogos como Cyberpunk 2020 e Castelo Falkenstein.

Teoria Comportamental: uma teoria da personalidade simples e prática, que privilegia sistemas mais voltados para a ação, como o D20.

Teoria Existencial: uma teoria filosófica que aborda a condição humana duma perspectiva bem diferente. Muito útil para jogos de Horror, principalmente por tratar de conceitos como a Angústia e o Desespero.

Teoria Psicossocial: uma teoria muito boa quando jogadores e mestres querem focar a relação entre os personagens jogadores ou entre jogadores e NPCs da aventura.

Para a próxima semana irei falar de uma teoria bastante conhecida de mestres e jogadores: a Junguiana. Com conceitos como Introversão, Extroversão e Sombra.

D&D 4ª Edição e o Roleplay
Também vou iniciar, aqui, uma série de artigos sobre o D&D 4ª Edição e o Roleplay. Minha idéia é explorar conceitos das regras para auxiliar na interpretação. Um esboço sobre o tema pode ser encontrado nesse artigo.

Vou começar falando sobre Atributos, Perícias, Alinhamentos e Funções dos personagens, e a maneira como esses conceitos podem ser usados na interpretação do personagem.

Depois, vou falar sobre cada uma das raças e das classes de personagens.

Finalmente, vou elaborar uma dinâmica de personalidade para melhor aproveitar cada uma dessas idéias.



2 comentários:

Cefer disse...

Olá.

Minha irmã é psicóloga.

Uma vez conversei com ela sobre como utilizar o Id, o Ego e o Superego. Mas, não cheguei a escrever.

O post sobre a a Teoria Psicodinâmica ficou muito bom.

Cefer Max

http://www.rpgmaxcefer.blogspot.com

Tiago Peixoto disse...

Ola Cefer

Se possivel, post aqui as idéias que teve sobre como usar a Teoria Psicodinâmica de Freud no RPg.

Minha idéia é mesmo criar um espaço de diálogos e debates.

Gostei do seu post sobre Nietzsche e o RPG! Logo irei comenta-la.